quarta-feira, 5 de setembro de 2007

Overdose de realidade.

Admito que estava cansado, olhei as horas no meu relógio de pulso eram 2:30 da madrugada. Coloquei o cigarro pra descansar no cinzeiro, o café a muito já havia esfriado na xícara, repousei meus óculos na mesa, passei as mãos no rosto na esperança do sono ir embora, senti minha barba grande. Dois dias sem dormir direito, muito tempo. Levantei e senti meu sangue circulando melhor. Fui pra cozinha fazer mais café, porém o pó havia acabado. Merda. O jeito era ir a um desses mercados 24 horas. Peguei a chave do carro e bati a porta de casa, em menos de 5 minutos já estava dirigindo pela grande São Paulo.

No trajeto prostitutas acenavam e garotinhos se drogavam na esquina. Um assalto na farmácia da avenida e um assassinado no outro lado da rua. Uma menininha pedindo R$ 5 em troca de uma noite de prazer, uma simples menininha de não mais de 12 anos. Desisti de comprar o pó do café, já estava acordado demais, até alucinações eu tava tendo. Maldita cafeína. Imagina se isso tudo ia acontecer no meu país perfeito. Não mesmo. Fiz a volta e retornei pra casa. Precisava mesmo era dormir para essas alucinações pararem de acontecer.

Embora tenha dormido admiravelmente as alucinações não pararam. Elas voltaram no dia seguinte e no outro, no outro e no outro... Convenci-me de que todos os dias eu tinha uma overdose sem ao menos estar drogado. Por medo das alucinações não saia mais de casa, não trabalhava, não estudava, fiquei impotente até o dia em que morri, até o dia em que tirei minha própria vida por medo das tais alucinações.

8 comentários:

Anônimo disse...

mais claro e com mais realidade, impossivel!
triste fim real!
=/

Anônimo disse...

nineuriisssssss
oww... mt legal...
no começo tava imaginando um texto cm varios outros... mas depois vi q n era apenas isso... q era a pura realidade...
sucesooo!
=]
Amo teee!

Sara Ezequiel disse...

opa...
nada ki vc nom tenha ouvido dos outros dois comentárioss: texto mais real!!

parabénss!!
sucesso!!

continue assim!!
bj

Trinity Mccutcheon disse...

POoow =/
o café do cara acabou.merda.
hAUhUAhuHA

zuera amore

texto mais realista, detalhista, amei ^^
pude até imaginar a cena....

Thaís Procópio disse...

Ninaaaaaaaaaaaaaaa...Minha escritora preferidaaaa
adorei mais esse texto..pra variar hein?Kd texto seu q leio tnehu mais certeza de q vc nasceu pra isso!!
te amoooo

Elisa Sodré disse...

Ninaaaaaaaa

Amei demais o texto!
De todos sem duvida o que mais gostei!

=]]

Lucas Fernandes disse...

Adorei este texto, moça! Sua escrita é digna de um literato... Tudo conspira para um desfecho inusitado. A seqüência que você cria, levando-nos a imaginar cada cena, é um recurso estilístico que torna o texto bastante agradável de ler!

=)

Lucas Fernandes disse...

Ah, não pude deixar de notar um pequeno errinho ortográfico...

"Coloquei o cigarro pra descansar no cinzeiro, o café HÁ muito já havia esfriado na xícara..."

Às vezes a gente escreve e passa desapercebido!

Edita o post e conserta. Apaga esse comentário depois, se preferir.

Bjocas ;)